Nesta segunda-feira (29), o postulante à candidatura à presidência do Alvinegro de Arapiraca, Weslley Farias, entrou com pedido formal na diretoria do clube para compra do título patrimonial, documento este que lhe habilita a participar do pleito.

Em conversa com a equipe do Amistoso AL, o pré-candidato conta um pouco da sua história como torcedor, de onde veio a vontade de concorrer e quais são seus planos para o gigante.

Farias (31), afirma ser apaixonado desde pequeno pela equipe e sempre foi de acompanhar o clube indo ao estádio e por notícias, mas sua aproximação maior se deu quando, em 2016, apresentou um projeto de TV de clubes à diretoria e o desenvolveu nos três anos seguintes. Foi aí, segundo ele, que pôde observar problemas que, até então, como torcedor desconhecia.

Por conta desses problemas foi que resolveu lançar sua pré-candidatura e teria sido motivado, por um lado, pelo seu amor ao clube e, por outro, para tentar mudar a difícil situação em que se encontra o ASA.

Para Weslley, o difícil momento vivido pelo clube se deve a uma falta de planejamento, onde acumula uma série de dívidas que acredita que poderiam ser evitadas. O jovem julga ser hora de realizar trocas e dar espaço para outras pessoas fazerem coisas novas pelo clube.

Diz já ter um planejamento de administração, no qual o primeiro passo seria fazer uma auditoria para descobrir os reais problemas. Uma vez concluídas as checagens, a próxima etapa seria criar novas metodologias de trabalho e encontrar novos patrocinadores e investidores para clube.

De acordo com o entrevistado, sua gestão irá primar pela base, no qual desenvolverão um trabalho de captação de transição de atletas, o seja, o clube alvinegro disponibilizará uma equipe de olheiros que irá rodar o país em busca de atletas para suas equipes amadoras. Acredita que esse trabalho não é só para revelar jogadores, mas sim gerar receitas com as transações. Para levar adiante essa proposta afirma que o clube terá categorias que irão de sub 7 a sub 20.

Outra medida que propõe em seu plano de gestão é a criação de um portal da transparência, onde a diretoria fará uma prestação mensal para sócios e interessados sobre os gastos do clube.

E, por último, diz que pretendem disponibilizar todo recurso vindo da prefeitura para pagar dívidas trabalhistas, já que o seu objetivo final é entregar o clube no final de 2022 sem débitos. Para isso planeja, com seus colegas, criar um time competitivo e barato, buscar quatro ou cinco jogadores experientes de fora e o resto da equipe completar com pratas da casa, assim poderão saldar todas suas obrigações.

O concorrente diz saber que a proposta é ousada, mas o objetivo é resgatar os anos de glória do clube. “A gente está entrando pensando alto, mas sempre respeitando os demais adversários e buscando trazer o ASA de volta”, assegura Farias.

Finaliza que além do pedido formal para a compra do título de sócio patrimonial, solicitou informações sobre as prestações de contas de 2010 a 2020 do clube e os valores do patrocínio da prefeitura. Ressalta: “não quero entrar no ASA para mostrar culpados, quero resolver alguns problemas, pagar as dívidas, fazer um time competitivo e trazer o torcedor para o estádio”, declara o pré-candidato.

(Crédito da imagem: Arquivo Pessoal)