É por vitórias e consagrações que todos em torno do esporte trabalham e concentram seus maiores esforços. A conquista de um campeonato estadual de futebol no Brasil, por exemplo, é um feito cobiçado por muitos pois, além de deixar a equipe no topo do ranking local, ainda oferece ao time ganhador o direito de competir entre os melhores em nível nacional: como na Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro.

Foi com essa expectativa que o Murici Futebol Clube superou todos os desafios em 2010 e realizou uma campanha triunfal que o colocaria para sempre no hall dos
campeões alagoanos. No aniversário de dez anos do tão sonhado título, o clube pode olhar para trás e ver que aquela vitória foi o impulso que faltava para o
reconhecimento estado afora e para as importantes batalhas que viriam dali para frente.

O título

A forte campanha no início da competição o levou à liderança e ao título da primeira fase daquele ano que, unida a confiança depositada nos jogadores, empurrou o clube à uma conquista sofrida, porém inesquecível. Perdendo nas finais da segunda fase, a decisão ficou para a Super Final contra o ASA e a revanche veio em uma vitória por 2 x 0 no jogo de ida, no José Gomes da Costa, e depois na casa do adversário, no Estádio Municipal, por 2 x 1. A conquista cravou o nome do time na história dos estaduais e deu visibilidade nacional mais a frente.

O presidente do clube, Geraldo Amorim, em entrevista ao Amistosoal, reconhece o feito como a maior conquista da história do Verdão e possui até hoje, segundo ele,
grande significado. “Em 2020 comemoramos os dez anos da conquista desse título e, graças a algumas parcerias e ao apoio da prefeitura, pudemos montar um time bastante competitivo para brigar pelo título novamente”. Ele ressaltou as dificuldades causadas pela pandemia e lembrou que até a paralisação o Murici era o líder do Alagoano.

Ascensão

Após o feito de 2010 o time ganha força e faz campanhas de relevância nos estaduais e participações nos campeonatos nacionais. Em 2011, embalado com o título, o clube fez uma boa participação no Alagoano e é batido somente na semifinal pelo ASA. Ainda no mesmo ano o Verdão estreou na Copa do Brasil enfrentando o Flamengo, sendo eliminado na primeira fase. Em 2014 o time volta a conquistar o 1° turno do Estadual, sendo derrotado apenas na semifinal do segundo turno, pelo Coruripe, que seria o campeão alagoano daquele ano.

Em 2015 disputou pela segunda vez a Copa do Brasil. Em 2016, na Série D do Brasileirão, fez seis partidas, venceu duas, empatou duas e perdeu duas, somando oito pontos. Já em 2017 o clube ganhou destaque indo para a terceira fase da Copa do Brasil, perdendo a partida para o Cruzeiro em jogo de grande repercussão. No mesmo ano a equipe voltou a participar do Brasileirão Série D, chegando à vice-liderança do grupo, com seis pontos, sendo eliminado nas próximas fases.

Amorim destaca que a conquista de 2010 contribuiu de forma marcante para a ascensão do Murici nos anos seguintes. “Não só em Alagoas mas, principalmente, no cenário nacional. O time passou a ser conhecido fora do estado; em 2011 fizemos uma grande festa ao jogar contra o Flamengo do Rio pela Copa do Brasil. Além do Flamengo, jogamos com outras grades equipes do futebol brasileiro, a exemplo do Cruzeiro de MG”, finaliza o presidente.

Como reforçou o dirigente, o Murici ocupa a primeira colocação no campeonato Alagoano, que foi paralisado devido à pandemia do Coronavírus. O time abriu a sexta rodada empatando com o CSE e já está classificado para a próxima fase, com 12 pontos.

(Crédito da imagem: Reprodução)