Na manhã deste sábado, 08, o Galo da Praia fez sua estreia contra a equipe gaúcha, Juventude, de Caxias do Sul. Mesmo com uma derrota por 2x1 a equipe alagoana fez uma partida muito equilibrada e, segundo alguns analistas, as duas equipes fizeram uma partida de fortes concorrentes às vagas para Série A.

De acordo com Marcelo Cabo, técnico do Regatas, a sua apresentação foi muito boa. Mesmo assim, em sua avaliação, a equipe fez uma partida bastante oscilante. Até os 15 primeiros minutos jogou pressionando e impondo seu ritmo, tanto que aos 2’ minutos de partida Léo Gamalho aproveita um cruzamento na área convertendo o gol de cabeça. Após isso, o juventude conseguiu impor seu ritmo e o Alvirubro só conseguiu retornar o seu desempenho a partir do 35º minuto, perdendo algumas oportunidades de terminar a primeira etapa na frente.

O Ju conseguiu realizar o seu gol de empate aos 34’ minutos da primeira etapa, com um chute de fora da área do jogador Renato Cajá, que acabou desviando no zagueiro Xandão e tirando o goleiro Victor da jogada.

No segundo tempo os gaúchos vieram impondo um ritmo forte e pressionado com tal intensidade que aos 11’ minutos, em uma saída de bola, o jogador do alviverde
conseguiu roubar a bola de Diego Torres e passar para o jogador Breno marcar o gol da virada. O CRB conseguiu voltar ao seu ritmo com as entradas de Felipe Menezes, no lugar de Diego Torres, e Bill no lugar de Magno Cruz.

Na partida não se pode esquecer da importante atuação do goleiro Victor, que no primeiro tempo atacou um pênalti e fez defesas importantes durante todo o jogo.

Da metade do segundo tempo para o final do jogo a equipe regatiana conseguiu criar várias situações de gol, onde teve duas jogadas polêmicas que podem ter prejudicado o desenlace da disputa. Uma foi um impedimento mal marcado, de acordo com as imagens da televisão, e mais tarde emitida pela assessoria do Regatas. O outro lance foi envolvendo o jogador Bill, que teria sofrido uma falta dentro da área e o arbitro deu a lei da vantagem...

Em coletiva, o técnico regatiano lamenta a atuação da arbitragem e pede uma atitude por parte da comissão de arbitragem da Confederação. “Na minha opinião a arbitragem interferiu completamente no resultado, não dando um pênalti claro no Bill e depois um impedimento, onde o meu jogador estava talvez há um metro e meio antes do penúltimo defensor e o bandeirinha estava muito mal colocado, há uns seis metros da linha do último defensor. Mais uma vez o CRB foi prejudicado com a arbitragem. Eu espero que a comissão de arbitragem da CBF tome a suas providências.”

Cabo relembra que eles vieram com muita dificuldade, com quatro jogos em oito dias. O jogo da final do Alagoano até a partida contra o Juventude foi com menos de 72 horas e, segundo ele, os jogadores ainda estavam cansados e debilitados. O desgaste também teria interferido, tanto que os jogadores Ewerton Páscoa e Igor Cairús saíram lesionados.

(Crédito da imagem: Ascom CRB)