Esta semana o Amistoso AL dá início a uma série de reportagens sobre a situação dos estádios dos times da série A do Alagoano. Assim como a preocupação com os atletas é importante, manter o palco do espetáculo também é uma inquietação para os clubes.

Daremos início pelo Estádio Municipal Juca Sampaio, casa da equipe do CSE, de Palmeira dos Índios, e o Estádio Municipal Coaracy da Mata Fonseca (Fumeirão), do Alvinegro de Arapiraca.

Em entrevista para o site, Eronildes da Silva, diretor de patrimônio e responsável pela administração do campo do tricolor, contou que em nenhum momento o campo foi abandonado. Em meio à pandemia o clube, em parceria com a prefeitura de Palmeira, aproveitou a paralisação para realizar melhorias nas instalações dos atletas e as mediações externas do estádio. Quando questionado sobre as reformas, Silva fez questão de corrigir a pergunta: “o intuito não é reforma, é manutenção com a esperança de que o CSE possa voltar às atividades, depois da pandemia, o mais rápido possível”, afirma o administrador.

Foto: Ascom

Fala que além dos cuidados de rotina com o gramado, estão fazendo uma revitalização na área externa da sede, onde estão plantando e melhorando os jardins. Também conta que toda a logística que envolve os atletas como apartamentos, refeitórios, entre outros, já foi concluída. Ele explica que o próximo passo será realizar a pintura, mas estão aguardando passar o período de chuva para poder efetuá-la e afirma: “se o Alagoano voltasse hoje nós
estaríamos prontos para receber jogos”
.

Foto: Ascom

Por outro lado, o ASA de Arapiraca tem seu estádio em pleno vapor com as reformas que proporcionarão ao clube acolher melhor os seus torcedores. A equipe do Amistoso AL conversou com a assessora da Secretaria de Infraestrutura do município de Arapiraca, Elizama Santos, e o engenheiro Edvaldo Figueiredo, responsável pela obra do estádio municipal, e os dois nos contaram que o empreendimento está sendo financiado pela Caixa Econômica Federal, através do Ministério dos Esportes, em parceria com o município. O Governo Federal se comprometeu em repassar a quantia de R$3.412.500,00 e a administração local o valor R$ 68.752,30.

Nessa obra estão sendo substituídas as antigas arquibancadas de metal da parte leste e feita a ligação desta com a arquibancada norte, conhecida como a curva leste. De acordo com o projeto, ainda falta fazer o patamar dos degraus, novas baterias de banheiros para atender os torcedores e construir catorze camarotes, que foram nomeados como “as charmosinhas”. Estes terão capacidade para 49 pessoas, bem acomodadas com ar-condicionado.

Figueiredo conta que o projeto de reforma teve início em princípios de 2018, mas devido a um atraso de repasse pelo governo federal a obra teve um período trabalhando em ritmo lento. Com a normalização dos repasses, foi criado um novo
cronograma de trabalho que prevê a conclusão para dezembro do corrente ano.

(Crédito da imagem: Reprodução)