O Clube Sociedade Esportiva (CSE), da cidade de Palmeira dos Índios, retornou è elite do futebol alagoano este ano, após vencer o Zumbi e se tornar campeão da Divisão de Acesso em 2019. Mas a alegria em participar novamente da competição esportiva local mais importante acabou sendo acompanhada de dúvidas e incertezas em relação ao retorno do Alagoano.

Dando continuidade à nossa série de entrevistas com representantes dos clubes alagoanos que estão enfrentando a paralisação devido à pandemia, falamos com o
presidente José Barbosa. Ele lembrou que no último jogo do CSE contra o Murici, pela abertura da sexta rodada, todos já imaginavam que a competição não voltaria.
“Liberamos os jogadores após a partida contra o Murici, pois tínhamos a certeza de que o Campeonato não iria continuar”, disse.

Barbosa disse que o tricolor de Palmeira compreendeu a grave situação em que se encontra a Saúde mundial e afirmou que vê com grande dificuldade o retorno do
Alagoano. “Acatamos a decisão da Federação Alagoana de Futebol (FAF) sobre a paralisação do campeonato. Infelizmente a pandemia é mundial, então tivemos que acatar sem discutir. E agora sabemos da dificuldade que é pra essa competição reiniciar”, explica.

Foto: Ascom CSE

Incentivo

O presidente comunicou à reportagem do Amistoso AL que o CSE estará efetuando nesta quinta-feira, (16/04), o pagamento referente ao mês de março de 2020, ficando em dia com a folha do clube. A grande incentivadora, segundo ele, é a prefeitura de Palmeira dos Índios, que cobre integralmente as despesas com a folha. “A prefeitura, através do prefeito Júlio César, é nossa patrocinadora master. Não mede esforços para nos ajudar. É uma excelente parceria, principalmente nesse momento de crise.”

Já em relação aos demais parceiros, Barbosa explica que alguns já foram claros quanto aos entraves de honrarem as mensalidades. “O pessoal não quer colaborar mais em função dessa paralisação, então temos dificuldade em pagar nossos fornecedores”.

Foto: Ascom CSE

CBF e FAF

Ele reforça que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não se manifestou em ralação aos participantes que não estão inseridos nos grupos A, B, C e D do
Brasileiro. “Porém, a FAF não se nega a nos apoiar. O Presidente Felipe terá um contato com a Confederação para que ela possa, de alguma forma, nos ajudar, já que não temos esse calendário e não fazemos parte desses grupos. Nossa dificuldade é de cumprir a relação com os fornecedores”.

“Todos os clubes da série A do Alagoano, exceto CSA e CRB, estão com problema na folha. Menos Jaciobá e Coruripe, que receberam ajuda financeira da CBF”, conclui.

(Crédito da imagem: Diego Wendric)