Como é comum entre os times de futebol, principalmente no Brasil, a mudança de treinador acaba modificando a formação das equipes e, muitas vezes, os rumos dos clubes nas competições. Fato bastante discutido, a questão é que acaba sendo mais “fácil” trocar de técnico do que mexer nas peças dos times, que normalmente já têm a base definida. O treinador Alyson Dantas foi um dos poucos técnicos que permaneceram à frente do mesmo clube na temporada estadual de 2021, pelo Jaciobá. Além dele, apenas Roberto Fernandes, comandante do CRB, esteve em todos os jogos pelo Regatas este ano. A diferença é que o Galo não participou da Copa Alagoas.

Em entrevista ao Amistoso AL, Dantas credita esse fator ao desempenho da equipe e aos resultados do grupo. “Encontrei o clube numa situação delicada. Vinha há dois anos sem vencer, com uma imagem manchada por uma péssima série D no ano passado. Fizemos um projeto sério, comprometimento com a Instituição. Estimulamos nos atletas a fome de crescimento profissional. Sabíamos que íamos encontrar dificuldade estrutural, mas era o nosso nome que estava em jogo e enfrentamos o desafio”, conta.

E complementa: “Fizemos uma grande Copa Alagoas. Chegamos às semifinais e perdemos para o ASA nos pênaltis. A equipe construiu uma forma de jogar interessante e, até certo ponto, era um time frio e tentava propor o jogo dentro das nossas condições. O time desde o início teve uma padronização e uma forma de jogar bacana”.

Ele ressalta que a permanência no comando do “Azulão do Sertão” vem do reconhecimento do que foi desenvolvido no grupo. “Acho que só o Jaciobá e o CRB não mudaram de técnico. Isso mostra que conseguimos fazer um trabalho até o final. Procurei ficar mesmo com todas as dificuldades, para que a gente conseguisse fazer um trabalho interessante. E, desta forma, quero agradecer ao clube e à diretoria pela oportunidade e vou pensar agora em projetos futuros”.

Análise

Sobre o Campeonato Estadual, Alyson diz que os erros nos confrontos contra o CSA e o CRB fizeram a diferença no resultado final da tabela. “O Alagoano fizemos bem. Vacilamos em dois jogos contra CSA e CRB. Tomamos  gols em erros nossos. Também no empate contra o Coruripe. Poderíamos ter tido resultados melhores e até chegado a uma classificação para o quadrangular. A equipe criava bastante, mas perdia gols também. Encontramos, ainda, dificuldades financeiras”, explica.

Mas finaliza se dizendo satisfeito por ter conseguido o objetivo principal, que era a permanência na Série A do Alagoano. “Graças aos atletas, que entenderam a filosofia de trabalho. Agora vamos tentar dar sequencia à nossa carreira, estudando e conquistando merecimento".

(Crédito da foto: arquivo pessoal)